terça-feira, 24 de setembro de 2013


A vida é muito ingrata. A vida dói. E só nos apercebemos disso quando encontramos o nosso coração mutado, frágil, descomposto. Quando nos vemos cabisbaixos, ajoelhados na procura de infinitos cacos que outrora guardaram emoções e sonhos. Que outrora fizeram brilhar o olhar e levaram a acreditar em doces palavras e ilusões. A vida perde o sentido quando deixamos de sonhar. Porque deixar de sonhar é como deixar de viver.

Rita f.